Grandes farmacêuticas: capitalismo mafioso fora de controle

Quem acredita nos valores que a indústria farmacêutica diz gastar na investigação e desenvolvimento de novos medicamentos provavelmente também acredita que a Terra é plana.

Ralph Nader

Duas notícias recentes sobre a voraz indústria farmacêutica deveriam despertar o indolente Congresso dos EUA para iniciar investigações sobre os preços de medicamentos imprescindíveis para manter pacientes vivos (“paga-ou-morre”) que são demasiado comuns.
A primeira informação, um artigo na primeira página do New York Times falava da fibrose cística e da Fundação Cystic Fibrosis, que há quinze anos investiu 150 milhões de dólares na companhia de biotecnologia Vertex Pharmaceuticals, para desenvolver um medicamento para esta grave doença pulmonar.
No dia 19 de novembro, a Fundação anunciou um rendimento de 3.300 milhões de dólares como resultado dessa iniciativa. O Kalydeco, o medicamento desenvolvido com esse investimento, é tomado diariamente por pacientes de fibrose cística (que o podem pagar) e custa 300.000 dólares ao ano por paciente. Quem pode pagar esse preço?
A segunda notícia provem do Tufts Center for the Study of Drug Development, uma instituição financiada pela indústria farmacêutica. Joseph DiMasi, do Tufts Center, afirma que o custo de desenvolver um novo medicamento é de perto 2.558 milhões, muito superior ao cálculo anterior de 802 milhões de dólares que o mesmo centro mencionou em 2003.
Os promotores da indústria farmacêutica utilizam esse absurdo valor para justificar altíssimos preços de medicamentos aos consumidores. Infelizmente, a crítica a esse valor exagerado não recebeu a atenção adequada nos média.

As companhias farmacêuticas gastam bem mais em marketing que em investigação e desenvolvimento

Segundo DiMasi, a metade desse valor seria justificada pela oportunidade perdida se a companhia farmacêutica investisse o seu dinheiro noutro lado. Isso reduz o seu cálculo quase à metade, 1.395 milhões de dólares. Esta manobra dá um novo significado à palavra “inflação”. Segundo o economista James P. Love, fundador de Knowledge Ecology International, DiMasi também ignora convenientemente subsídios governamentais como os chamados créditos tributários por medicamentos órfãos, subsídios de investigação dos Institutos Nacionais de Saúde e apoio governamental ao custo dos ensaios clínicos de qualificação (veja keionline.org).
Love acrescenta que as companhias farmacêuticas gastam “bem mais em marketing que em investigação e desenvolvimento”. Rohit Malpani, diretor de Política e Análise dos Médicos sem Fronteiras (que recebeu o Prémio Nobel em 1999), diz que quem acreditar nos números de Tufts, cuja alegada análise de dados é em grande parte secreta “provavelmente também acreditará que a Terra é plana”.
Malpani cita o próprio diretor executivo de GlaxoSmithKline, Andrew Witty, que diz que o valor de 1.000 milhões de dólares para desenvolver um medicamento é um mito.
Malpani acrescenta que “o que sabemos de estudos passados e da experiência de criadores de medicamentos sem fins lucrativos é que se pode desenvolver um novo medicamento por uma fração do custo sugerido pelo relatório de Tufts. O custo de desenvolver produtos é variável, mas a experiência mostra que se podem desenvolver novos medicamentos por apenas 50 milhões de dólares, que podem chegar a 186 milhões se se levarem em conta os fracassos… Não só os contribuintes pagam uma percentagem considerável da investigação e desenvolvimento da indústria, como também na realidade pagam duas vezes, porque ainda têm de pagar os altos preços dos medicamentos em si”.
Malpani referia-se primordialmente aos EUA, onde as companhias farmacêuticas não mostram qualquer gratidão pelos generosos créditos tributários e pelo financiamento com dinheiro público da investigação e desenvolvimento (que na maior parte das vezes obtêm gratuitamente). Junte-se a ausência de controles de preços e verifica-se que o consumidor/paciente paga os preços dos medicamentos mais elevados do mundo.
Outro aspeto geralmente ignorado é qual a percentagem da investigação e desenvolvimento da indústria é que se dirige a produtos que mantêm, em vez de melhorar, as condições de saúde, os medicamentos denominados “eu também”, que são lucrativos mas não beneficiam a saúde dos pacientes.
Além disso, a lucrativa indústria farmacêutica foi sempre incapaz de restringir a sua enganosa promoção de medicamentos e a revelação inadequada dos efeitos secundários. Cerca de 100.norte-americanos morrem cada ano devido aos efeitos adversos de medicamentos. Dezenas de milhões de dólares dos consumidores são desperdiçados em remédios que têm efeitos adversos em vez de produtos para as mesmos doenças com menos efeitos adversos (veja citizen.org/hrg).


A “entidade de desenvolvimento de medicamentos” do Departamento de Defesa foi criada porque as companhias farmacêuticas não quiseram investir em vacinas ou medicamentos terapêuticos para a malária

Durante uma visita no ano 2000 com médicos e cientistas militares ao Walter Reed Army Hospital, perguntei quanto gastam para investigar e desenvolver as drogas contra a malária e outros medicamentos. A resposta: de cinco a dez milhões de dólares por medicamento, o que incluía os ensaios clínicos e os salários dos pesquisadores.
Esta “entidade de desenvolvimento de medicamentos” do Departamento de Defesa foi criada porque as companhias farmacêuticas não quiseram investir em vacinas ou medicamentos terapêuticos para a malária, que então era a segunda causa principal da hospitalização de soldados dos EUA no Vietname (a primeira eram as feridas no campo de batalha). Portanto a administração militar decidiu preencher este vazio pelos seus próprios meios, com considerável sucesso.
O problema da mesquinhez da mimada indústria farmacêutica privada com respeito ao desenvolvimento de vacinas continua a existir. A tuberculose, resistente aos medicamentos, e outras doenças infecciosas crescentes em países em desenvolvimento continuam a custar milhões de vidas a cada ano. A epidemia de ébola é uma ilustração letal de semelhante negligência.
A sobrevivência de muitos milhões de pessoas é demasiado importante para deixá-la em mãos das empresas farmacêuticas. Por uma pequena parcela do que o governo está a esbanjar na extensão e no fracasso de guerras ilegais no exterior, pode ir além do exemplo do Walter Reed Army Hospital e converter-se numa superpotência humanitária que produza vacinas e medicamentos para salvar vidas, porque o sofrimento dos doentes deve importar mais que a chuva de benefícios das grandes companhias farmacêuticas.

O último livro de Ralph Nader é: “Unstoppable: the Emerging Left-Right Alliance to Dismantle the Corporate State”.

Publicado no Counterpunch
Tradução de Luis Leiria para o Esquerda.net

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s