se nos permite, fernando brito

A sagração dos idiotas

Fernando Brito, sítio “tijolaço”

Algumas vezes, desanimo.
O tempo pesa e nos faz procurar o que é mais confortável para o corpo e a mente doídos pelos anos.
Não vivo para lutar, porque não sou um selvagem.
A civilização tem, entre suas virtudes, permitir a contemplação, o encantamento, a tolerância.
Com os outros, sobretudo, porque se não sou um selvagem, sou capaz de amar além do que amam os animais: a si, a seu par, a sua prole, seu grupo, todos projeções de si mesmos.
Quando nos civilizamos, deixamos de competir para colaborar e é por isso que compreendo o capitalismo como a negação do processo civilizatório.
Também não vivo para ser dono, porque – ah, que bom o sic transit gloria mundi – não sou um selvagem que depende da defesa de seu território vital, a Lebensraum maldita do nazismo.
Mas sou um ser humano real, que convive com contas, supermercado, prestações, amores, desencontros e cinco malditos comprimidos cardíacos e correlatos, que todo dia faço força para lembrar e mais ainda para esquecer.
Sei que o mundo ideal – e olhe lá – só pode existir dentro de mim e de meus sonhos, assim mesmo corrompido pelo egoísmo.
Quando a gente envelhece, tende a se atribuir uma excelência que não se tem, uma perfeição que não se alcançou, uma lucidez que é apenas um autoelogio.
Devo estar errado sobre muita coisa, portanto. O que é, aliás, uma das poucas certezas que tenho.
Das outras, apenas algumas, bem esquisitas nesse mundo de hoje.
Uma delas fui descobrir que aprendi ainda criança, lendo Monteiro Lobato – que pena que todos os meninos não o leiam mais – quando a boneca Emília “ensina” Hércules a vencer o gigante Anteu, rei da Líbia, a quem ninguém jamais batera em luta, mandando que o levantasse sobre sua hercúlea cabeça.
É que Anteu era filho de Gea, a Terra, e era pelos seus pés no chão que lhe vinham as energias invencíveis.
É por isso que nunca cri em arrogantes, em tecnocratas, em falsos sábios que não amavam e sentiam seu povo, porque ser um povo é o chão humano.
Manter-se ligado a ele não é, necessariamente, algo físico.
Mas são raros os privilegiados que conseguem fazê-lo vivendo nos círculos de poder e dinheiro.
Lula, Brizola, quem mais?
Creio, sim, que a esquerda vencerá esta eleição.
Mas pela regra irônica de Millôr Fernandes de que mais importante do que ser genial é estar cercado por medíocres.
Passado o necessário pragmatismo da batalha eleitoral – porque é no voto popular que está a via da mudança – creio que será necessário que Lula – que é a referência que restou deste processo de canibalização de ideias que sempre acompanha os períodos de poder – seja o líder de um movimento de oxigenação da esquerda que se tornou vital para sua sobrevivência.
Curiosamente, uma renovação pelo que sobrou daqueles que não perderam o contato de seus pés com o chão e, por isso, mantêm suas cabeças na altura dos sonhos.
E que negue, com toda a força e delicadeza de que é feita a civilização humana, a lógica infame que se construiu neste país onde os idiotas são consagrados como modelos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: