fotos

Ei, ei, vem ver o que restou do meu corpo, diz na rua o pedinte saltitante para alheios senhores e senhoras, estes que acham que estão caminhando para algum lugar.
(Claro, a centralidade é o corpo. Na falta de perigos próximos que desnudam a destrutividade do ser humano – as guerras declaradas (ou não), a fome como estratégia, as iniquidades sociais (im)postas como dominação –, resta o corpo, “o meu corpo”, o mesmo minúsculo corpo frágil, agora reificado como o supra-sumo da afirmação do meu ser. Todo o resto é secundário, aziago, desprezível – e que cada um que se vire para manter seu corpo assim assado.)
Qualé a desse qualquer? Como ousa se mostrar assim? Quem quer saber de sua experiência na fome? Por que não para de beber, de fumar, de existir, porra? Nada muda mesmo…
E o pedinte continua seu teatro (“estranha figuração”), pula na frente dos passantes, interrompe a caminhada dos senhores e das senhoras, fala e fala (“fragmentos de discursos carregando fragmentos de uma realidade”) e reivindica que olhem para seu estado. Que olhem para seu pau mole, sua bunda seca. Ninguém ousa. Alguns desviam seus passos capitalistas subjugados para evitar o encontro.
E chegam aquelas luzes estroboscópicas que marcam as paredes das cidades com ódio e violência… num instante uma luz vem iluminar aquela vida cinzenta.
(“Todas essas vidas destinadas a passar por baixo de qualquer discurso e a desaparecer sem nunca terem sido faladas só puderam deixar rastros – breves, incisivos, com frequência enigmáticos – a partir do momento de seu contato instantâneo com o poder.”)
Vão se foder, resume enfim aquele ser, enquanto a viatura cospe o olho míope do estado em forma de homens armados, saídos, anos antes, de tristes bucetas… toda esquina de toda cidade: lá estarão eles agindo, mirando corpos pobres pretos cansados subnutridos feridos, ora.
O que nos é dado fazer nas ruas de belos horizontes eclipsados por prédios tortos e poluídas com apressados zumbis tóxicos insensíveis, se somos incapazes de transmitir experiências?
(Aspas: Michel Foucault, A vida dos homens infames in Estratégia, poder-saber.)

belo tempo morto

Os sentimentos vastos não têm nome. Perdas, deslumbramentos, catástrofes do espírito, pesadelos da carne, os sentimentos vastos não têm boca, fundo de soturnez, mudo desvario, escuros enigmas habitados de vida mas sem sons, assim eu neste instante diante do teu corpo morto. Hilda Hilst

sem título

BH, dezembro de 1969

mais um pouco de BH, em dezembro de 1969. Curiosidade: narração de um repórter da Globo, Amaral Neto, conhecido por “amoral nato” por fazer matérias ufanistas em prol/em proveito da ditadura militar (na Globo, sempre na Globo…)

Hotel Laide foi um importante “hotel social” da política de redução de danos para os usuários de crack de São Paulo, cidade.

1. artigo 196 da Constituição Federal de 1988: “A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.

2.“redução de danos é uma política de saúde que se propõe a reduzir os prejuízos de natureza biológica, social e econômica do uso de drogas, pautada no respeito ao indivíduo e no seu direito de consumir drogas” (Tarcísio Matos Andrade , 2001).

“Abandoned City in Brasil”

toda vez que a beleza insiste em se nos apresentar, somos inundados por algo indizível…

BH dos meus sonhos

BH dos meus sonhos incômodos.
Não é charleston, mas uma dança epilética sob hardcore distorcido.
De dia, o comércio de árabes e judeus sempre atrás do seu dinheiro.
De dia, punguistas na estação,
depois, “putas com a noite passeando em torno de suas unhas”, vinhos baratos.
Contorno sobe desce, muda de cor, sabor, idade, fala dos tempos, dos modos.
A Serra do Curral amanhece primeiro, mas a luz não chega: chove agora.
Circum-navegando na periferia, bélico horizonte: périplos perigosos,
perigos gozosos.
Polícia olha tudo com fome de sangue e acerta os pobres e os pretos.
Voltamos a dormir na noite quente…
(Nenhum galo para nos despertar.)

“se fizerem com que as pessoas acreditem na ameaça de um inimigo, elas farão o que lhes dissermos” e “dividam-nos e oponham-nos, destruam a sua solidariedade e eles obedecerão ao nosso comando” Joseph Goebbels

No final de 1938, após ocupar a Renânia e a Áustria, Hitler quis anexar parte da Tchecoslováquia, na fronteira: os Sudetos, espaço que contava com uma minoria alemã. Como pretexto, Goebbels lança uma campanha na qual propaga falsamente que os alemães da região sofriam com perseguições dos tchecos. Acabou dividindo ambas as nacionalidades. E os nazistas tomam a região e muito mais.

Em 1950 um jovem coronel (Arbenz) foi eleito presidente da Guatemala, após décadas de corruptos ditadores no poder, simpáticos ao império do norte. Arbenz começou a nacionalizar uma gigante norte-americana da banana que escravizava o país. Assim foi preciso fazer uma propaganda contra o governo recèm eleito, já que interesses estadunidenses seriam contrariados. Entra em cena o Sr.Edward Bernays, criador do conceito/prática de Relações Públicas. Cria uma falsa agência de notícias, inunda jornalistas com mentiras e transforma Arbenz em “comunista a serviço de Moscou”, interna e externamente. Junto com a CIA, o movimento se transforma, como arquitetado, em golpe político-social e consegue, em 1954, depor o presidente e colocar um títere no lugar.

1954 foi também o ano no qual Stroessner ascendeu ao poder, por um golpe militar, no Paraguai. 1954, ano do suicídio de Vargas, após campanha de ataque midiático, foi apenas coincidência. Nosso país, claro, está imune, claro. Que importância teriam nossas riquezas várias?…

estese

sem título

Ela diz, insinuante, que gostaria mesmo é de conversar com um psicólogo. Ah, e você titubeia porque… isso pode ser uma cantada (mas assim, agora, de repente?). Você se perde no diálogo por alguns segundos e perde o diálogo porque se voltou para seus pensamentos que aliviam: faz toda diferença se eu a conheço num bar ou no consultório – e ela tem a mesma iniciativa. Mas, estranhamente, duvido se vou responder àquele comentário no mesmo diapasão que soltou sua nota sufocante naquele balcão.

Vem a conclusão e digo: olha, se quer mesmo que eu ouça você, apareça no consultório amanhã, por volta das dez da manhã.

Ela me deixa enquanto fico segurando a quinta garrafa, ou quarta, sei lá.

E a noite continua com uma estranha sensação de eu ter perdido um “amor líquido”… e certo, já sabendo que às dez da manhã estarei ouvindo outra pessoa…

Volto-me para o burocrático show do Ten Years After, uns trinta anos depois.

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Outro dia, no mercado.

Fui reconhecido por um “usuário do serviço de saúde mental da prefeitura”, ou seja, meu paciente. Nada que pudesse criar um desconforto, mas ele me apresentou à sua mulher, uma mulata libidinosa, linda, deliciosamente linda na flor da idade (“com um cara desses”, diz imediatamente aquele diabinho que nos habita com sua maldade). Ela se mostra algo curiosa a respeito do tratamento do marido e mesmo já sabendo que não lograria obter informações, deixa escapar (ou faz isso pensadamente) que tem medo de perdê-lo. Ele se faz de encabulado… no fundo parece ter orgulho dela. Eu, por meu lado, deixo aquele comentário em suspenso e ele intervém: que bobagem, meu amor, blá, blá, blá.

E não é que o “desgraçado” traz para as consultas exatamente a amante, uma mulher casada com o chefe da repartição?…

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

(“Confissões”. Pensei em dar o nome de confissões a estas linhas. A dúvida está em nomear. Nomear é sempre difícil e “muita coisa importante falta nome”, disse certa feita João Rosa na boca de…Riobaldo?…sei lá…. Como nomear por exemplo o fim de um namoro? Como nomear um filho? Como nomear a História Humana, feita de dominação, exploração e guerras? Como nomear o inominável, que é a vida? (ah, que lapso, esta já tem nome: vida, assim mesmo, sem adjetivação).)

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Outro dia eu falei em fim de namoro.

Há dois mil e quinhentos anos filósofos e poetas querem falar não só do fim, mas do começo e do meio. Lembro Barthes, com seu “Fragmentos de um discurso amoroso”.

Pobre de mim que só tenho “discursos de fragmentos amorosos”…

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Comprei e li de uma só vez dois livros do Efraim Medina Reyes (Era uma vez o amor, mas tive que matá-lo e Técnicas de masturbação entre Batman e Robin), enfant terrible colombiano que iconoclasta Shakira e Garcia Marquez.

Cafajeste que desperta a mais pura cafajestice que há em nós.

Algumas passagens dos livros me levaram para o murinho da Bias Fortes: Délzio, Dudu, Magrelo, Alisson, Júlio e vários outros. Uma geração de perdidos que se encontravam naquele muro para nada fazer além de falar de carros, rock n roll e, claro, mulheres, deliciosas mulheres imaginárias ou reais. Estas tão inacessíveis quanto os V8 que mirávamos nas revistas.

Restava o rock, que ouvíamos a toda. No meio dos rifs pensávamos naquela pick-up Ford 54, naquela colega de sala que gostaríamos de seduzir com uma pick-up Ford 54.

Mas conversávamos mesmo era sobre o abismo da desesperança circundando nossas vidas. (Mentira: não conversávamos sobre isso, era a maconha que (não) falava por nós.)

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

(Eu também odeio publicitários, médicos, juízes, padres e pastores, governantes e polícia, capitalismo e consumismo, ruas cheias, estradas cheias, filas, filas e filas. Pois devo dizer também que não confio em quem não tem um hobby, nem que seja beber-escrever-beber, como Bukowski (beber-escrever-beber: isso é que é viver!) Digo ainda que pouco se me dá para quem dorme cedo e acorda tarde. Boemia só sabe que viveu – e sobreviveu. (Daqueles que não têm senso de humor, melhor a distância.) Eu estaria no Cabaret Voltaire, estaria tramando com os bolcheviques, estaria nos apartamentos bossanovistas (depois nas ruas-molotovs), nos clubes das esquinas ou em qualquer lugar onde a lua –  e não o sol – impera. Vale também qualquer beco imundo com drogados, putas, travestis e cães, desgraça!

Odeio também a modorra de um domingo à tarde…

Fui ler de novo O Estrangeiro, de Camus. Foi impossível passar das primeiras páginas…)

domingo numa cidada de um país na ditadura…

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Escolhi ser psicólogo porque observava pessoas, seus movimentos, suas gafes e mentiras, sua opacidade que não esconde seus motivos, e também sua eventual transparência; poderia ter sido veterinário, se este não tivesse que cortar a carne. Ou botânico, embora eu já preferisse que meu olhar fosse “de jardineiro”, se me permitem Freire e Brito/Utopia e paixão. E mais me extasiava com a delicadeza do inseto na flor, como, parece, fazem certos pobres poetas pobres.

A escolha então deve ter sido para fazer um inside job e desmascarar todos. Para desmascarar a mim, principalmente.

(Ou tudo se deu apenas porque não queria matemática.)

/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

(Antonioni era o meu preferido, principalmente depois que foi nomeado como o “poeta da incomunicabilidade”. Blow up então… aos quinze anos ver na tela do cinema (Pathê) uma silenciosa bola de tênis onde não havia qualquer bola, então, tudo se tornaria permitido.)

////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////

Poucos deixaram pedra sobre pedra, como o “robô pederasta” Roberto Piva e os que seguiram baudelairiana via flanando por uma cidade imunda qualquer com(o) os “anjos engraxates”, a Virgem “que lava sua bunda imaculada na pia batismal” e os “anjos de Rilke dando o cu nos mictórios” (risos). Poesia experimental para uma vida experimental, única crença do moço. Quem poderia se opor ou quem poderia amparar um quijada como esse? Alguns fodidos nascem para nos dar tais bofetadas…e os amamos.

(obs.: a pequena seleção das aspas acima é de Carlos Felipe Moisés, n’O desconcerto do mundo. As nossas sumiram há muito nos guardados em papel. Não confiamos no que pode ser achado na rede. Portanto, não confiem também no que estão lendo agora.)